Cantinho do Pensamento

O que fazer quando nossos filhos não obedecem?

Ou ainda, quando fazem birras, malcriações, apresentam comportamentos agressivos, nos deixando muitas vezes sem graça diante de outras pessoas.

Você já presenciou uma cena típica de supermercado, quando a criança pede algo e a mãe diz que não vai comprar, então a criança se joga no chão, grita, chora e a mãe fica sem saber o que fazer?

Esses comportamentos infelizmente não são difíceis de acontecer e precisam ser modificados para que seu filho não acabe crescendo sem regras e com dificuldades de enfrentar os problemas do dia-a-dia.

Crianças que entendem o não, que compreendem as regras da casa e a maneira como devem se comportar em diferentes lugares crescem com maior habilidade de comunicação, menos dificuldades de relacionamento, menos ansiosas.

Uma importante ferramenta é o uso do Cantinho Chato, ou como alguns chamam: Cantinho do Pensamento.

Usamos o “Cantinho Chato” quando a criança desobedece, é mal – educada, apresenta comportamentos inadequados, é agressiva, faz birra.

O Cantinho Chato é usado em crianças de 2 à 12 anos e, a criança deve ficar 1 minuto para cada ano de sua idade. Até os quatro anos é indicado que a criança fique sentada em uma cadeira, com o encosto maior que suas costas. Já a partir dos cinco anos a criança deve ficar em um cômodo separado da casa, mas esse local não deve ser seu quarto.

Quando a criança apresentar algum comportamento inadequado é importante que seja repreendida seguidamente a ele e, colocada no Cantinho Chato. É fundamental que se esclareça para a criança o porquê dela estar sendo colocada no Cantinho Chato e solicitar que ela pense em tudo o que fez.

Ao lado deve ser colocado um cronômetro que irá ser acionado assim que o tempo se esgotar. A criança não deve sair do local, mesmo que comece a chorar e diga que não quer ir de jeito nenhum.

O excesso de permissividade não é adequado para a educação infantil, a criança precisa sentir segurança e, para isso, as regras são fundamentais. É uma maneira de mostrar para seu filho que você se preocupa com ele e está atento aos seus comportamentos!

Esta entrada foi publicada em Psicologia Infantil. Adicione o link permanente aos seus favoritos.